Biografia Madre Anatólia

Quem é Irmã Anatólia

         Irmã Anatólia – no batismo Tecla Bodnar – nasceu aos 29 de março de 1884, em Zhuzhel, Província da Galícia na Ucrânia Ocidental, numa família ucraniana católica de profundos princípios cristãos. Seus pais Gregório e Pelágia deram-lhe uma sólida educação religiosa.

         Tecla contava com oito anos de idade quando foi testemunha ocular da fundação de uma nova família religiosa na Ucrânia, a Congregação das Irmãs Servas de Maria Imaculada, do rito católico bizantino-ucraniano, da qual viria mais tarde, tornar-se membro. O modo de vida das primeiras Irmãs exercia um grande fascínio sobre a pequena Tecla. Em companhia de outras meninas de sua idade, ela as visitava amiúde: Tecla fazia parte do grupo de crianças que a fundadora da Congregação, Irmã Josafata Hordashevska, reunia e lhes ensinava cantos litúrgicos, novena (moleben) à Mãe de Deus e a Jesus Cristo, lia-lhes belos contos e exemplos. Crescendo, num ambiente favorável, ela foi se desenvolvendo interiormente, até perceber em si um desejo cada vez mais forte de se consagrar também a Deus para se colocar a serviço do povo anunciando o Reino de Cristo.

          Dia 29 de março de 1902, aos 18 anos de idade, Tecla ingressou na Congregação das Irmãs Servas de Maria Imaculada, motivada conforme escreveu em suas anotações espirituais, pela obediência absoluta e entrega de Jesus ao Pai, durante a sua vida oculta em Nazaré. Desde o início assumiu com grande entusiasmo a sua caminhada espiritual. No dia 22 de setembro do mesmo ano começou o noviciado recebendo o hábito das Irmãs Servas de Maria Imaculada e adotando o nome de Irmã Anatólia. Sendo de temperamento enérgico, sério e compenetrado, tratou logo de por mãos à obra na própria formação. Esmerou-se em conhecer-se a si mesma e a conhecer Jesus Cristo que sempre foi o seu inigualável Mestre e Modelo. Dócil e obediente deixou-se modelar aceitando todas as orientações, advertências, conselhos e penitência. Dois anos de noviciado passaram-se rapidamente e Irmã Anatólia decidiu emitir os primeiros votos precisamente no dia 13 de setembro de 1904.

1

A Serva de Deus com a sua conterr:anea, Ir. Parténia Djaruk,SMI

          Tomada de transbordante entusiasmo pelo Reino de Deus, Irmã Anatólia iniciou a sua vida de Serva de Maria Imaculada, dedicando-se com afinco a todas as atividades que lhe vinham sendo confiadas. Trabalhou no Seminário Maior do Metropolita André Szeptytzkey, em Lviv, onde as Irmãs eram responsáveis pela administração dos serviços domésticos do mesmo. Dedicou-se também com grande zelo à limpeza e ornamentação da igreja. No entanto, o que mais a fascinava e para o que demonstrou ter um carisma especial, era a cura e assistência aos doentes. Aprimorou seus conhecimentos na área da enfermagem, demonstrando suas capacidades neste precisos e nobre serviço aos irmãos.

         Aos 15 de fevereiro de 1911 engajou-se para sempre na Congregação, fazendo a sua Profissão  Perpétua. Nesta data certamente ocorreu uma grande mudança em Irmã Anatólia e começou uma nova fase da sua vida. Isto porque ela fez a Profissão Perpétua tendo em vista que em breve iria como missionária para o Brasil.

Escola Madre Anatólia | Biografia Madre Anatólia

As sete primeiras Irmãs Servas de Maria Imaculada que vieram ao Brasil em 1911 com os Padres Missionários

        A viagem das primeiras sete religiosas ucranianas para a terra de Santa Cruz ocorreu entre 23 de fevereiro e 23 de março de 1911. Atravessando o Oceano Atlântico elas chegaram ao porto de Santos, Estado de São Paulo e seguiram de trem até Ponta grossa, onde o grupo dividiu-se, indo quatro Irmãs para Prudentópolis no Estado do Paraná e três para Iracema, no Estado de Santa Catarina. Nestas duas regiões havia maior concentração de imigrantes ucranianos que desde 1891, em grandes levas chegavam ao Sul do Brasil. Irmã Anatólia fazia parte do grupo que rumou para Prudentópolis.

Escola Madre Anatólia | Biografia Madre Anatólia

Barracas dos primeiros imigrantes ucranianos em São João do Capanema, hoje Prudentópolis, foto de 1896

      Destituídos dos meios mais necessários, os imigrantes necessitavam das Irmãs missionárias que os orientassem e animassem na luta contra as dificuldades que a pátria de adoção lhes oferecia. Desde logo as Irmã Servas começaram a organizar o seu trabalho na escola, na igreja e no atendimento aos doentes. Irmã Anatólia assumiu as responsabilidades de zeladora da igreja-Casa de Deus e o serviço junto aos doentes. Destacou-se heroicamente nesta última tarefa. No seu entender o doente é o próprio Cristo, para bem atendê-lo ela renuncia a tudo, ao próprio descanso e, às vezes até à própria alimentação. Dotada de um carisma especial, atende a todos generosamente e sem exceção. Convicta de suas fraquezas humanas, coloca toda a sua confiança no Senhor e, com a ajuda de sua graça, opera verdadeiros milagres no campo da medicina.

Barracão que acolheu os imigrantes em Prudentópolis, onde Irmã Anatólia atendia os doentes.

   

         Com o seu caráter sereno, decidido, benévolo e generoso conquista a todos os necessitados que a conservarão na memória e no coração, transmitindo à posteridade admiração pelo seu modo de ser, suas virtudes e o seu trabalho árduo e dedicado fecundado pelo amor gratuito e desinteressado.

         Seu olhar profundo, expressão de uma íntima união com Deus, e ardente caridade com o próximo, sabia penetrar nas almas adivinhando suas necessidades. Sempre pronta para servir, atendia a todos que necessitavam de uma palavra de alento e remédio para suas dores morais e físicas. A exemplo de Cristo, seu Esposo, passou por esta terra fazendo o bem a todos.

         Em 1915 foi aberto o noviciado das Irmãs Servas de Maria Imaculada no Brasil. Irmã Anatólia foi nomeada a primeira Mestra de Noviças. Alma de oração e sofrimento, forjada pela obediência total e plena à vontade de Deus, vai formando com esmero as primeiras Irmãs Servas do Brasil. Elas saberão levar em frente o carisma de serviço e dedicação para os irmãos, legado pelos fundadores. Exerce esse cargo com humildade e mansidão, mas também com energia e firmeza. Fiel ela mesma nas menores coisas prescritas pelas Constituições, exige de suas formandas a mesma fidelidade e perfeição. Deus abençoa o seu trabalho, as vocações florescem e a missão das Irmãs Servas vai se expandindo para outros núcleos de colonos ucranianos.

Primeira Casa Provincial em Prudentópolis, onde funcionava o noviciado.

        Em 1928 Irmã Anatólia é eleita e nomeada Superiora da Congregação das Irmãs Servas no Brasil. Em 1934 participa do primeiro Capítulo Geral em Lviv, na Ucrânia Ocidental. Nesse Capítulo realiza-se a centralização da Congregação integrando as Irmãs Servas de Maria Imaculada do Brasil, do Canadá e da Ucrânia numa única família religiosa que desde então ficou dividida em três províncias: Província de Nossa Senhora das Dores da Galícia, Ucrânia Ocidental, Cristo Rei do Canadá e São Miguel Arcanjo no Brasil. Irmã Anatólia foi nomeada a primeira Superiora Provincial para a província brasileira, no dia 26 e outubro de 1934 pelo decreto nº 9/34. Desempenhou esta missão até os meados de 1947. Fiel em tudo, extremamente dedicada pelo bem das Irmãs, pela sua formação e trabalho na Igreja, conseguiu incrementar e fortalecer a Congregação das Irmãs Servas no Brasil, dando-lhes seguras perspectivas para o futuro.

Ir. Anatólia, Superiora Provincial, com suas Conselheira, Irmãs e Noviças.

Terminado o seu mandato de Superiora Provincial, exausta e com a saúde abalada, foi depois de um breve intervalo, nomeada assistente da Superiora na comunidade de Prudentópolis e Assistente da Mestra de Noviças.

         Os seus dois últimos anos de vida foram marcados de modo particular pela cruz. Acometida de uma incurável gangrena, passou-os no leito de dor. Este tornou-se o altar de imolação total pela Igreja, pela Congregação, pelos sacerdotes e pelo seu querido povo ucraniano no Brasil, para o qual dedicou o melhor de sua existência. Suportou dores atrozes com admirável paciência. Nestes momentos cruciais buscava forças e alento na oração e na contemplação de Jesus na sua Paixão. Eram contínuas as jaculatórias que se elevavam do seu coração a Jesus e a Nossa Senhora suplicando o seu auxílio para poder sofrer até o fim e cumprir fielmente s vontade de Deus. Veio a falecer santamente aos 16 de fevereiro de 1956 em Prudentópolis, confortada com os últimos sacramentos.

      Seu enterro foi realizado no dia seguinte com a participação de alguns sacerdotes, um grande número de co-irmãs Servas de Maria Imaculada, Irmãs Vicentinas, alunos e seminaristas e uma multidão de fiéis. Seus restos mortais aguardam a “Ressurreição dos mortos” no cemitério da Paróquia de S. Josafat em Prudentópolis.

Deus se Revela

         Irmã Anatólia gozava da fama de santidade já durante a sua vida. Muitas pessoas que conheciam a receberam manifestações de sua caridade, benevolência e compaixão nas suas necessidades e, de modo especial, a cura nas doenças, admiravam suas virtudes. Logo após a sua morte essa admiração manifestou-se numa singela e inabalável confiança no poder de sua intercessão junto a Deus.

          Atraídos pela firme promessa da Irmã Anatólia que quando deixasse esta terra continuaria ajudando a todos, os nossos fiéis em número sempre crescente, acorrem à sua forte protetora, buscando a sua intercessão e confiando-lhe todas as suas necessidades.

          Pessoas provenientes de diversos lugares, aflitas e atribuladas pelos problemas da vida encontram em Deus, através da Irmã Anatólia, lenitivo para suas dores. Sua sepultura é visitada diariamente por aqueles que buscam uma mão amiga que lhes ajude a atravessar seguros este vale de lágrimas. São mães que se preocupam com o futuro dos filhos e vem pedir e agradecer um bom casamento ou um trabalho para ganhar honestamente o pão de cada dia. Esposas vem pedir a cura de maridos alcoólatras que tornam impossível a vida familiar. Estudantes pedem auxílio nos estudos. São inúmeros os casos de graças alcançadas por pessoas que acometidas por diversos tipos de enfermidades físicas, ou vítimas de sérios acidentes, recobram a saúde apelando para a sua intercessão. Muitas mães vem agradecer o auxílio da Irmã Anatólia num parto difícil ou a alegria de poder gerar um filho quando segundo as normas da natureza isso parece impossível. Há famílias que entregam à proteção da Irmã Anatólia todos os seus negócios e problemas, e a sua intercessão foi infalível. Dizia-nos uma mãe de família, indicando para uma foto da Irmã Anatólia: “Na nossa casa quem administra é a nossa querida Irmã Anatólia. Sem ela ninguém se cura, nada se planeja e nada se realiza. Através dela Deus com a sua bênção se torna admiravelmente presente na nossa família”.

         A bondade da Irmã Anatólia e suas virtudes heróicas despertam no povo grande admiração e desejo de seguir melhor a Jesus Cristo, tornando-se ela assim a nova evangelizadora para os nossos tempos despertando as pessoas acima de tudo para uma mudança de mente e corações. Estas manifestações do poder de Deus através da Irmã Anatólia, estão nos animando e quase exigindo para pedirmos à Igreja, para que esta com a sua autoridade, que lhe compete, defina o mérito de sua vida e virtudes e, que isso sirva para a maior glória de Deus e a expansão do seu Reino.

Perfil Espiritual

        “Alma de oração”, – estes termos caracterizam com perfeição a pessoa da Irmã Anatólia. Ao longo de sua existência soube abandonar-se a Deus num crescimento sempre mais profundo na união íntima com Ele. Rezava sem cessar. Suas múltiplas obras de caridade eram permeadas pela oração, como terna expressão de quem ama e sente-se amada pelo Senhor.

        “Alma de oração”, – estes termos caracterizam com perfeição a pessoa da Irmã Anatólia. Ao longo de sua existência soube abandonar-se a Deus num crescimento sempre mais profundo na união íntima com Ele. Rezava sem cessar. Suas múltiplas obras de caridade eram permeadas pela oração, como terna expressão de quem ama e sente-se amada pelo Senhor.

Capela do Noviciado, onde a Serva de Deus passava o seu tempo de oração.

          A Eucaristia era uma fonte inesgotável de vida e graça. Deste sacramento ela hauria as forças necessárias para poder praticar heroicamente todas virtudes cristãs e os conselhos evangélicos.Passava longas horas conversando com o Divino Prisioneiro do Amor. Às vezes adorava-O durante a noite inteira. A Divina Liturgia era considerada por ela de valor inestimável. O culto do Sagrado Coração de Jesus é um dos pilares de sua vida espiritual. Nele sempre se refugiava, buscando forças nas lutas e sacrifícios.

         Desde a mais tenra idade sentiu-se atraída por Maria. Sua devoção mariana começou desde muito cedo. Ela a trouxe do próprio berço e a intensificou em companhia das primeiras Irmãs Servas de Maria Imaculada em Jujel que difundiam no meio do povo ucraniano a prática das novenas a Nossa Senhora durante o mês de maio. O terço foi sua oração predileta. Todas as festas Marianas celebrava-as com alegria, preparando-se para as mesmas através sacrifícios, orações e novenas. Espelhava-se em Maria Imaculada na vivência de sua generosa consagração a Cristo e aos irmãos necessitados.

         Foi acrisolada no sofrimento durante toda a sua vida. Por isso praticava as devoções que mais a uniam ao seu Esposo Crucificado. Costumava praticar a Via Sacra, o Relógio da Paixão, a devoção às Santas Chagas e à Sagrada Face. De sua união íntima com Jesus sofredor hauria a fortaleza nos grandes sofrimentos físicos e espirituais. A cruz foi a sua companheira inseparável: a cruz das dores físicas, do cansaço, das críticas, das humilhações e renúncias exigidas pelo serviço prestado ao próximo e, finalmente, a incurável doença que a uniu para sempre com Jesus na glória eterna.

         Irmã Anatólia, na sua fé e caridade, na sua simplicidade e modéstia, na sua humildade e confiança, na sua abnegação, paciência e entrega total para o bem do próximo, vem dizer aos homens do nosso mundo agitado, que a vida só tem sentido se for vivida na projeção para Deus e para os irmãos necessitados.

         Sua vida de fé profunda e caridade ardente, oração e penitência, sua união com Cristo na Eucaristia e na Cruz, anunciam a todos que o homem por si só nada é e nada consegue realizar, se não se entrega na confiança absoluta ao Pai que tudo dirige com a sua Providência.

         Irmã Anatólia pode ser considerada a mestra da fidelidade. No dizer de S. Paulo, só é fiel aquele que ama (I Cor 13). Portanto, ela é a mestra do amor, da verdadeira caridade. “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida pelos amigos” (Jô 15,13). Ela soube doar a sua vida vivendo plenamente cada momento de sua existência dedicada ao serviço dos irmãos.

         Por estas suas virtudes heróicas e entrega total a Deus e aos irmãos, pode ser considerada na Igreja contemporânea como instrumento valioso através do qual Deus poderá anunciar o seu reino para os homens iludidos pelo materialismo e cegueira espiritual. Irmã Anatólia, fruto do carisma vivenciado na Congregação das Irmãs Servas de Maria Imaculada que neste ano comemora o seu 120º ano de fundação convida as suas co-irmãs a serem generosas na sua doação e serviço do povo ucraniano que neste momento vem reconquistando a sua autonomia e liberdade religiosa na Pátria-Mãe. Seu exemplo na busca de um ideal imperecível é uma luz e, convida às jovens gerações ao seguimento de Jesus.

         No entanto, deve ser evitado qualquer tipo de culto indevido que antecipe a palavra oficial e autorizada da Igreja sobre a sua santidade como merecedora de proclamação e de pública veneração.

Homenagens à Serva de Deus

Como personagem importante e, apesar de sua simplicidade de uma pessoa religiosa, a Serva de Deus Anatólia recebeu homenagens após a sua morte em forma de alguns artigos em jornais. Em Curitiba, PR, uma das ruas traz o seu nome “Rua Irmã Anatólia”. A Congregação à qual pertenceu, homenageou-a denominando com o seu nome três obras :

 

  • Casa Provincial e Escola Madre Anatólia – Rua Martim Afonso, 575 – 80410-060 Curitiba  – PR

 

  • Casa Madre Anatólia     Rua 14 de Dezembro, 149 – 84635-000 Paulo Frontin – PR

 

  • Vila Madre Anatólia Rua Cândido de Abreu, 2330 – 84400-000 Prudentópolis – PR

Curitiba

Paulo Frontin

Prudentópolis

No ano de 1999 Beto Carminati publicou um documentário em vídeo sobre a vida da Serva de Deus Anatólia, que foi apresentado a um numeroso público a fim de ampliar o conhecimento dela no meio dos fiéis.

No dia 23 de novembro de 2002 a Academia de Letras, Artes e Ciências do Centro-Sul do Paraná, com sede em Irati, PR, acolheu a Serva de Deus “Madre Anatólia Tecla Bodnar” como Patrona da cadeira nº 7, escolhida entre ilustres personalidades que se destacaram nas artes, nas ciências, na literatura e nas ações comunitárias no Estado do Paraná. Superiora das Irmãs Servas da Imaculada Virgem Maria atuou em toda a região. Atendia o povo no Hospital de Prudentópolis. Nome em fase de beatificação.

Cronologia

1884

– 29 de março – Irmã Anatólia nasceu em Jujel, região de Sokal, Ucrânia Ocidental.

– Batizada e crismada, conforme o rito Bizantino-ucraniano católico, recebeu o nome de Tecla.

1891

– Mês de maio – Os Padres Basilianos pregam missão em Jujel. Tecla aos sete anos de idade  já acompanha as meninas que aos pés do cruzeiro, rezam para poderem seguir a vocação religiosa.

1892

– 27 de agosto – Fundação da Congregação das Irmãs Servas de Maria Imaculada. Tecla foi testemunha ocular do evento.

1902

– 29 de março – Tecla ingressa na Congregação das Irmãs Servas de Maria Imaculada, em Krystynopil.

– 22 de setembro – recebe o hábito das Irmãs Servas e adota o nome de Anatólia.

1904

– 13 de setembro – emite votos religiosos temporários.

1907

– As Irmãs Servas receberam novas Constituições, aprovadas pelo Metropolita André Szeptytzky, OSBM, durante o 1º Capítulo Geral em Lviv.

1911

– 15 de fevereiro – fez sua Profissão Perpétua.

– 23 de fevereiro – deixou a Europa e na qualidade de missionária viajou ao Brasil em companhia de outras seis Irmãs.

– 11 de abril – Chegou a Prudentópolis, onde iniciou a grande missão: atender aos doentes, cuidar da Igreja, exercer as funções de assistente da Superiora da Missão.

1915

– 2 de agosto – Abertura do Noviciado no Brasil. Irmã Anatólia é designada a primeira Mestra de Noviças.

1916

Decidiu, sob juramento, em obediência às ordens do Bispo de Curitiba, D. João Braga, a ficar para sempre no Brasil.

– Em dezembro, eleita a Primeira Conselheira da Congregação das Irmãs Servas no Brasil.

1922

– Primeira visita apostólica aos fiéis ucranianos no Brasil, realizada pelo Metropolita André Szeptytzky, de Lviv, Ucrânia Ocidental. Esta visita teve influências positivas sobre a centralização da Congregação das Irmãs Servas de Maria Imaculada.

– Irmã Anatólia foi nomeada como primeira Conselheira (segundo mandato) e assistente da Superiora da Congregação Brasileira das Irmãs Servas.

1926

– Foi fundada a diocese de Ponta Grossa D. Antonio Mazzarotto.
1º Bispo exerce jurisdição sobre os fiéis do Rito Oriental Bizantino-Católico.

1928

– Irmã Anatólia foi eleita Superiora da Congregação das Irmãs Servas de Maria Imaculada no Brasil.

1932

– A Santa Sé concede o Direito Pontifício à Congregação das Irmãs Servas de Maria Imaculada e aprova as novas Constituições para um período experimental de sete anos.

1934

– Centralização da Congregação das Irmãs Servas de Maria Imaculada. Fundação das três províncias: Ucrânia, Canadá e Brasil. Irmã Anatólia e  Irmã Valdomira Pinhonjek participam do capítulo Geral em Lviv, Ucrânia Ocidental.

– Irmã Anatólia foi nomeada primeira Superiora Provincial da Província S. Miguel Arcanjo, no Brasil.

1947

– Irmã Anatólia encerra seu mandato de Superiora Provincial.

1948

– 28 de fevereiro – foi designada Assistente da Superiora e da Mestra de Noviças.

1954

– Irmã Anatólia adoeceu gravemente contraindo uma gangrena incurável generalizada. Fez tratamentos em Curitiba e retornou a Prudentópolis.

1956

– 16 de fevereiro – entregou sua santa alma a Deus em Prudentópolis, sendo sepultada no dia 17, no campo santo da Paróquia S. Josafat.

ORAÇÃO PARA SUPLICAR A BEATIFICAÇÃO DA SERVA DE DEUS

IRMÃ ANATÓLIA TECLA BODNAR, SMI

Ó Deus, que sois um só na Santíssima Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo, nós Vos louvamos porque Vos dignastes chamar a vossa serva Anatólia Bodnar à Congregação das Irmãs Servas de Maria Imaculada, e a enriquecestes com o dom do espírito missionário, no trabalho para o seu povo, misericórdia e dedicação para com os doentes e abandonados.

Trindade Santa, humildemente nós vos pedimos, elevai a vossa serva Anatólia à glória de vossos santos e concedei-nos a graça que ardentemente vos imploramos pela sua intercessão. Amém.

Pai Nosso, Ave Maria e Glória.

(Com aprovação eclesiástica)

Alcançando graças pela intercessão da Irmã Anatólia, favor comunicar a:

Postulação Irmã Anatólia

Cx. Postal 383

80011-970  Curitiba – PR.

Telefone: (0XX) 41  3223-7759  ou 3322-1744

ANEXO

Agradecimentos por graças recebidas pela intercessão da Serva de Deus Anatólia

  1. Meu irmão tinha uma hérnia enorme infeccionada que lhe dificultava até para andar. Os médicos o tinham desenganado. Sentia dores e tinha uma alta temperatura. A inflamação já havia atingido a sua barriga. Fizemos uma novena à Irmã Anatólia e ele foi submetido a uma melindrosa cirurgia. Depois da operação, quando o médico foi tirar-lhe os pontos: falou-lhe: “Irmã Anatólia Bodnar tirou o senhor da sepultura”. É uma grande graça pela qual agradecemos sempre.

        Prudentópolis, 1984                                                              N.S.D.

 

  1. Meu irmão estava desempregado e desesperado querendo até cometer alguma bobagem. O serviço que encontrava nunca dava certo. Ele ia e vinha sempre na mesma. A família já se desesperava com isso. Foi quando revirando nas gavetas do meu quarto achei um folheto com a oração da Irmã Anatólia. Daquele dia em diante todas as noites ao deitar rezava a oração com todo o fervor pedindo que ela nos ajudasse. E ela nos ajudou. Meu irmão conseguiu um emprego, depois de algum tempo passou para outro melhor com o dobro do ordenado. Está muito feliz. Agradeço de coração a Irmã Anatólia por ela nos ajudar intercedendo ao Bom Deus.

       Cantagalo, 1986                                                          M.A.K.

 

  1. Em 1969 aproximadamente, eu caí do andaime durante o trabalho e quebrei a perna. Os médicos arrumaram-na uma vez, outra vez, mas em pouco tempo ela infeccionou e não havia outra saída, a não ser amputá-la. Quando minha mulher ficou sabendo disso, com muita dor e confiança foi até a igreja e pediu que o padre celebrasse uma missa pela intercessão da Irmã Anatólia. Isso foi de manhã. Pelas 9 horas veio o médico, examinou a perna e, muito admirado, juntamente com as Irmãs enfermeiras, disseram que foi um verdadeiro milagre. Deus ouviu nossas preces pela intercessão da Irmã Anatólia. Logo que fiquei curado fui até Prudentópolis para agradecer no túmulo da Irmã Anatólia a graça recebida. Todos os dias à noite eu rezo um Pai nosso e Ave Maria agradecendo as graças recebidas e pedindo-as para o dia seguinte.

        Roncador, 1989                                                                        V.E.S.     

 

  1. Há dezoito anos os partos no Hospital Sagrado Coração de Jesus em Prudentópolis eram atendidos ou assistidos pela Irmã enfermeira. Só em casos especiais os médicos atendiam. Eu estava para ter o segundo filho. Como tinha a saúde muito fraca e a gravidez vinha após um aborto, isto complicava ainda mais a minha situação. Eu ficava mais tempo internada no hospital para evitar um segundo aborto. A conselho das irmãs, comecei a rezar pedindo ajuda da Irmã Anatólia neste problema. Como resultado das minhas preces, a partir do 4º mês não precisei mais de internamento hospitalar. Dia 21 de junho de 1975, às 9 horas da noite entrei no hospital em trabalho de parto. Como a Irmã temia complicações me alertou que contratasse o médico para me atender. Falei-lhe que não se preocupasse, que a Irmã Anatólia estaria cuidando de tudo. A Irmã me deixou no quarto e foi à capela rezar para a Irmã Anatólia, pois o nascimento da criança estava previsto para a manhã do dia seguinte. Prometeu me ver antes de se recolher. Quando ela chegou já me levou para a sala de parto, onde as 23 horas e 40 minutos nasceu J.P. e correu tudo bem, graças a Deus e a intercessão da Irmã Anatólia.

      Prudentópolis, 1993.                                                             H.O.P.

 

  1. Meu pai vinha encontrando dificuldades para locar um imóvel comercial. Através da minha colega de trabalho tomei conhecimento da Irmã Anatólia. Começamos então a fazer inúmeras orações para que surgisse um local ideal, sempre elevando nossos pensamentos à referida Irmã. Passaram-se alguns dias e nossas preces foram atendidas. Atualmente meu pai se encontra sediado em um ótimo local de trabalho. Meu agradecimento a Deus e a Irmã Anatólia pela sua intercessão.

       Porto Alegre, 1995                                                                   S.P.F.

 

  1. É com muita alegria que eu escrevo para vocês para dar meu testemunho de uma graça muito grande recebida. Há uns 10 meses tinha fortes dores no joelho direito. Fui ao médico. Ele diagnosticou artrose e falou que não tinha cura. Tomava remédios fortes, fiz fisioterapia, fazia caminhadas e nada resolvia o problema. Certo dia recebi de uma Irmã Serva como presente o livro e a oração da Irmã Anatólia. Comecei a fazer orações (novena) pedi que Irmã Anatólia intercedesse a Jesus por mim. Antes de terminar a novena as dores desapareceram. Posso dizer que estou curada. Agradeço a Jesus e a Irmã Anatólia pela grande graça recebida através da oração.

       Prudentópolis, 2004                                                              A.R.P.

 

  1. Venho por meio desta agradecer uma graça alcançada pela intercessão da Irmã Anatólia Tecla Bodnar. Moramos no Japão há 7 anos. No começo deste ano tivemos que fazer o Shaken de nosso carro (revisão cara e obrigatória; sem o selo do shaken os carros não podem rodar aqui no Japão). Como não tínhamos como pagar à vista fizemos mais uma prestação, enquanto tentávamos vender outro carro sem shaken. Com um mês de uso o motor do carro revisado fundiu e meu marido, que trabalha em outra cidade, não tinha carro para trabalhar. Fiquei muito desesperada, como somos estrangeiros, não temos garantia de trabalho. Se faltou, é mandado embora sem direito a nada. Foi então que me lembrei da minha falecida avó que me disse um dia, que passando por alguma necessidade rezasse com fé a Irmã Anatólia. Foi o que eu fiz e, em prazo de um mês e pouco, nós conseguimos vender o carro e trocar o motor do outro. Agradeço a Irmã Anatólia Bodnar pela graça alcançada por sua intercessão.

       Japão, 2002                                                                          M.S.

 

  1. Estou escrevendo para contar a graça que recebi pela intercessão da Irmã Anatólia. Sou mãe de três filhos. Sofri muito para dar à luz as duas primeiras filhas. Depois de 13 anos engravidei do meu terceiro filho. Fiquei muito preocupada. Só pensava no dia do parto que estava para chegar. Até que um dia encontrei um livrinho da Irmã Anatólia. Então, me agarrei nela. Toda noite eu rezava a oração dela e lhe pedia com muita fé que fosse feliz durante a gravidez e que ela estivesse junto comigo na hora do parto. Meu filho nasceu com muita saúde. Graças a ela eu fui muito feliz durante a gravidez e na hora do parto. Quando eu estava na mesa rezava pedindo a ela que me ajudasse, que eu fosse feliz. Parecia-me que ela estava ali ao meu lado.

       Itaqui, 2002                                                                          M.C.

 

  1. Um dia meu neto foi atacado pela laringite e quase se sufocava. Foi internado no hospital e melhorou. Decorrido um breve tempo recomeçou a tosse e o sofrimento. Enquanto eu atendia as crianças e colocava-as para dormir, comecei a rezar. Quando avistei o santinho da Irmã Anatólia, pedi chorando e com muita fé que ela salvasse o meu neto, que o livrasse da laringite e do hospital. No dia seguinte a criança acordou completamente curada, sem tosse e passa bem. Meu neto recebeu a graça da Irmã Anatólia a quem agradecemos de coração.

       Ucrânia, 2008                                                                       M.H.

 

  1. Venho por meio desta relatar uma grande graça que recebemos através da intercessão da Irmã Anatólia. Meu pai bebia muito. Já não havia nem condições de visitá-lo e nem se podia conversar com ele. Depois que conheci algo sobre a Irmã Anatólia tudo mudou para melhor. Fiz várias novenas e rezo para ela todos os dias. Ela está conosco e acredito que nunca vai nos abandonar. Meu pai ainda não deixou de beber totalmente, mas trata melhor a minha mãe. Eu posso visitá-lo mais. Estou muito feliz e com o coração cheio de alegria. Na minha família Irmã Anatólia está cuidando também dos meus problemas. Somos muito gratos a Deus e a Irmã Anatólia.

       Ponta Grossa, 2009.                                                                  T.R.e I.L.

Glória a Deus!

Honra a Maria Imaculada!

A nós Paz!